segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Americano amputado sobe 103 andares com prótese inteligente


Um americano que perdeu a perna em um acidente de moto subiu ontem os 103 andares de um dos arranha-céus mais altos do mundo usando uma prótese biônica comandada por seu cérebro.

Após ficar sem o membro o engenheiro de software Zac Vawter, 31, tornou-se voluntário nos testes para a construção de uma nova geração de próteses para amputados.
A prótese de Vawter é muito diferente das comuns. Ela responde aos impulsos elétricos dos tendões do americano. Com o pensamento, ele desencadeia motores, correntes e correias que sincronizam os movimentos de seu joelho e tornozelos protéticos.
John Gress/Reuters
Zac Vawter, 31, subiu 103 andares usando uma prótese comandada por seu cérebro
Zac Vawter, 31, subiu 103 andares usando uma prótese comandada por seu cérebro
Essa comunicação entre o cérebro e a perna mecânica só foi possível porque Vawter passou por uma cirurgia para reposicionar seus nervos após a amputação. Eram eles os responsáveis por enviar à parte inferior da perna os comandos do cérebro.
A perna biônica usa esse sistema natural de comunicação. A tecnologia foi desenvolvida pelo Instituto de Reabilitação de Chicago há alguns anos, mas ainda está sendo aperfeiçoada.
Antes de completar a façanha, o americano passou horas ajustando o equipamento. Todo o processo foi acompanhado por um time de médicos e cientistas, que vão avaliar a performance do novo dispositivo.
Apesar do sucesso --Vawter completou a subida em pouco menos de uma hora--, os responsáveis dizem que ainda falta muito para a comercialização da prótese.
Segundo os cientistas, os mecanismos de controle da perna-robô precisam estar completamente testados e dominados antes que ela possa ser oferecida ao público, uma vez que falhas podem representar quedas e outros incidentes potencialmente perigosos para os pacientes.


quinta-feira, 11 de outubro de 2012


XXIV Semana de Estudos da Pedagogia: "Pedagogia e Seus Múltiplos Horizontes", promovido pela UNESP (Rio Claro).

Dia 18/10 - Palestra: O Pedadogo e sua atuação em ambiente Hospitalar.

Preletor: Prof. Ms. Marcelo Clemente



A XXIV Semana de Estudos da Pedagogia, da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Rio Claro abordará as diversas possibilidades de atuação do pedagogo. A escolha deste tema decorreu da realidade do referido curso, uma vez que este é voltado para a pedagogia escolar. Diante das diversas alternativas do profissional, como: Pedagogia social, empresarial, hospitalar, a Semana de Estudos vem para mostrar quais as possíveis áreas em que a pedagogia se aplica. Historicamente a formação do pedagogo está contida às instituições de ensino; a nova realidade do mercado ampliou seus horizontes, o qual pode assumir um papel importante em diversas áreas, uma vez que este sabe lidar com os processos de ensino/aprendizagem, de forma que onde houver este processo, o pedagogo será fundamental. Tem como objetivo auxiliar não só aqueles que buscam caminhos distintos aos escolares para profissionalização, como também de informar novas possibilidades pouco conhecidas da área. A Semana será composta por mesas redondas e palestras com profissionais de diferentes instituições, pesquisadores do tema e oficinas que demonstrem, de forma prática, as diversas atuações. Também teremos apresentações de trabalhos acadêmicos e a realização de um sarau cultural. O evento acontecerá na segunda semana de outubro, entre os dias 15 e 20, sendo destinado aos alunos do curso de pedagogia e demais licenciaturas, alunos da pós-graduação, professores, enfim, a todos que tenham interesse pela temática.




PROGRAMAÇÃO
SEGUNDA-FEIRA (15/10)
18h30: Credenciamento
19h30: Atividade Cultural
20h00: ABERTURA
21h00Café

21h20: Palestra: "Práticas pedagógicas fora do contexto escolar” (foco em Pedagogia Clínica).
Palestrante: Psicopedagoga Marta Fontes Borghi

TERÇA-FEIRA (16/10)
16h/18h: Oficina: Ecobrinquedoteca Espaço Brincar (inscrição separada do restante do evento).
19h: Atividade Cultural
Mesa Redonda: Projetos Sociais e Culturais. Participantes: Bruna, Fabiano e Binho.
21h/21h20: Café
21h20: Oficinas:
v Hip Hop;
v Organização Social Arte e Vida (Beatriz e Gabriela);

v Produção e Edição de Vídeos (Henrique Tozzi);
v Movimento Bandeirante:  uma forma diferentes de educar (Caroline Florindo);
v Musicalização Infantil (Joseano Moncaio);
v Apresentações utilizando a ferramenta Prezi (Larissa Benites e Marina Cyrino).
QUARTA-FEIRA (17/10)
19h/20h30: Mesa Redonda: A Prática Educativa em Penitenciárias. Participantes:Márcio e Valter.
20h30/20h45: Café
20h45/21h15: Apresentação das pesquisas em pôster no Espaço de Vivências.
21h20: Apresentação dos trabalhos acadêmicos na forma oral.
QUINTA-FEIRA (18/10)
19h: Palestra: “Pedagogia Hospitalar”. Palestrante: Prof. Me. Marcelo Clemente;
Experiência: “A experiência na ONG Hospitalhaços” – Gabriela.
21h/21h20: Café
21h20: Oficinas:
v  Hospitalhaços (Gabriela);
v  Produção e Edição de Vídeos (Henrique Tozzi);
v  Origami – arte com papel (Djian);
v  Movimento Bandeirante:  uma forma diferentes de educar (Caroline Florindo);
v  Contação de Histórias para Educação Infantil;
v  Teatro do Oprimido
SEXTA-FEIRA (19/10)
16h/18h: “Origamis” (Raquel) (inscrição separada do restante do evento).
19h/21h: Palestra: “Pedagogia no Hospital Boldrini” – Palestrantes: Luciana A. R. Silva de Mello: Coordenadora Pedagógica Hospitalar e Amanda B. B. Terzariol: Orientadora Educacional Hospitalar.
Experiência: “Experiência de estágio em Brinquedoeteca hospitalar”: Letícia Matos
21h/21h20: Café
21h20: Sarau Cultural
SÁBADO (20/10)
9h: Café da manhã
9h20: Palestra “Pedagogia em ambientes não escolares” (foco em Pedagogia Empresarial) (Profa. Marcela)
10h00: Oficinas: Arte teatral; confecção de carteiras com sucata.
11h00: Bate Papo sobre “Pedagogia Empresarial”

Informações e inscrições: http://www.inscricoes.fmb.unesp.br/principal.asp

terça-feira, 21 de agosto de 2012

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

PROGRAMA DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO CORPORATIVO


PROGRAMA DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE INCLUSÃO DE
PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO CORPORATIVO

Consultor:
Marcelo Clemente
Mestre em Educação e Saúde pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Profissional formado em Pedagogia (Licenciatura Plena) com habilitação em Administração Escolar e Magistério, com especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional e em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão pela UnB - Universidade de Brasilia. Docente em cursos de graduação, extensão universitária e de especialização na área de Educação.  Consultor Pedagógico e Empresarial com experiência nas áreas de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho e de sensibilização de equipes gestoras e colaboradores.

Introdução:

As instituições de um modo geral (empresas privadas e órgãos públicos) têm um papel importante na transformação da sociedade. A percepção que as pessoas têm a respeito dessas instituições é construída com base nas ações adotadas. Além da motivação legal e ética, uma política de inclusão das pessoas com deficiência, além de outras políticas de caráter social, certamente traz ganhos significativos de imagem a essas instituições. O
clima organizacional também melhora, estimulando o espírito de equipe dos funcionários, gerando sinergia em torno de um objetivo comum e humanizando o ambiente de trabalho, além de possibilitar ganhos de produtividade se as pessoas com deficiência estiverem devidamente inseridas em funções que otimizem seu desempenho.
Em síntese, a contratação e integração de pessoas com deficiência é tida como uma atitude positiva e a instituição passa a ser vista como um modelo a ser admirado e seguido.
A convivência com a diversidade proporcionará novas experiências às equipes de trabalho, combatendo o preconceito, estimulando o respeito às diferenças e valorizando a diversidade por meio do reconhecimento da igualdade.
Os impactos positivos de se empregarem pessoas com deficiência refletir-se-ão na motivação dos outros colaboradores, criando um clima organizacional positivo, promovendo a humanização do trabalho e estimulando o sentimento de solidariedade.

Objetivos:
Sensibilizar equipe gestora, sobre a importância da contratação de colaboradores com deficiência, demonstrando as dificuldades do processo e suas vantagens que impactam diretamente no clima e cultura organizacional, bem como na produtividade da empresa;
Orientar e capacitar pessoas com deficiência no mercado de trabalho, destacando suas potencialidades, habilidades e competências independentes de suas limitações, transformando obrigação legal em projeto de responsabilidade social.

Objetivos: (Escopo ampliado – Conforme necessidades dos clientes)

Implantar, uma política de inclusão social das pessoas com
deficiência, compreendida como a eliminação de barreiras físicas, psicológicas e de comunicação, promovendo, assim, as condições adequadas para garantir sua inserção real e virtual no ambiente da empresa.
Difundir uma cultura de inclusão, buscando sensibilizar, por meio de um programa de conscientização, gestores e colaboradores, de modo a receber positivamente as pessoas com deficiência e contribuir para a criação de um ambiente solidário;
Propor ações que visem garantir a acessibilidade física (mobilidade e usabilidade dos espaços e dos recursos materiais), virtual (mobilidade e usabilidade dos recursos da informática), tendo por base o conceito de Desenho Universal (concepção de produtos, meios de comunicação e ambientes para serem utilizados por todas as pessoas, o maior
tempo possível, sem a necessidade de adaptação para um ou outro grupo de
indivíduos);
Desenvolver programas de capacitação e treinamento destinados aos colaboradores que possuam algum tipo de deficiência, de modo a otimizar suas qualidades e habilidades no desempenho de suas atribuições.


Público-alvo:
O público-alvo do Programa é composto por gestores, colaboradores com e sem deficiências.

Metodologia:
As aulas envolvem técnicas pedagógicas e trocas de experiências no grupo perseguindo o objetivo do desenvolvimento de uma reflexão sobre a inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, bem como a importância da correta operacionalidade desta ação.

Também são empregadas aulas expositivas com problematizações sobre os principais conceitos envolvidos e estudo de caso.

  • Palestras com duas horas de duração para sensibilização da equipe gestora;
  • Atividades diversas como aplicação de vivências e dinâmicas em grupo para sensibilização da equipe;
  • Treinamento dos colaboradores com deficiência, e ministração de palestras sobre o mercado de trabalho, comportamento e ética profissional.
Conteúdo programático:
Breve história das deficiências;
Compreendendo as deficiências (noções gerais);
Aspectos éticos, políticos e profissionais;
Preconceito, indiferença e exclusão;
O contexto social e a realidade da contratação de colaboradores com Deficiências;
Barreiras impeditivas à inclusão;
Rompendo barreiras atitudinais;
Arquitetura e desenho universal;
Sensibilidade na alocação dos profissionais;
A pessoa certa, no lugar certo, pela razão certa.

Para palestras e consultoria, entre em contato:
Prof. Marcelo Clemente

(11) 97472-5474
marcelorhema@gmail.com

segunda-feira, 16 de julho de 2012

'Enfrentar a discriminação é pior que superar deficiência', diz presidente do Ismac

foto
Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado
Telma Nantes: Dificuldades e preconceito enfrentados pelos cegos

Telma Nantes foi impedida de assumir vaga após ser aprovada em concurso pelo fato de ser cega.

A luta da pedagoga Telma Nates de Matos, que já se arrasta por quase três anos na Justiça, não é somente dela, mas sim de todas as pessoas com deficiência. Ela foi impedida de assumir vaga na Educação Infantil após ser aprovada em concurso da Prefeitura de Campo Grande. Para Telma, não há dúvidas de que ela foi vítima de discriminação e pretende ir a todas as instâncias, até mesmo à Organização das Nações Unidas (ONU), para garantir que outros deficientes não tenham de enfrentar a mesma dificuldade. Nesta entrevista, ela conta ainda sobre as atividades do Ismac, do qual é presidente.
CORREIO PERGUNTA Como foi a implantação do Ismac no Estado?
TELMA NANTES O Instituto foi fundado em 1957 por Florivaldo Vargas. Na época, ele mobilizou toda a sociedade campo-grandense para a necessidade de criar um centro de atendimento às pessoas com deficiência visual. Inicialmente, fundou a Sociedade para Cegos que funcionava como casa de amparo. Florivaldo Vargas era deficiente visual, da cidade de Lins, e trabalhava como cobrador, viajando por todo Estado. No início, a entidade ficava na Rua 7 de Setembro. Muitas crianças ficavam internadas na instituição, que chegou a abrigar mais de 120 pessoas. Desde o começo, ele teve a visão de inclusão, oferecendo atendimentos complementares na instituição, pois as crianças, adolescentes e adultos frequentavam escola comum e universidade. A professora Nazaré Pereira Mendes também foi uma das precursoras da inclusão.

Por que as pessoas moravam antes no instituto?

A maioria das famílias do interior não tinha condições de trazer as crianças para atendimento em Campo Grande, mas, na década de 80, foi eliminando o internato.

Quais princípios são mantidos desde a fundação?
Florivaldo Vargas fundou a instituição com a filosofia de inclusão das pessoas com deficiência visual na educação, no desporto, na cultura, no lazer e no mercado de trabalho. Seguimos essa mesma filosofia, com fortalecimento do apoio à educação especializada e apoio pedagógico.
O que é oferecido hoje no Ismac? 
Hoje vivemos um momento histórico, por meio de parceria com o Ministério da Saúde e das secretarias estadual e municipal de Saúde, pois passamos a ser reconhecidos como Centro de Reabilitação Visual. Contamos com setor de oftalmologia, avaliação funcional da visão, indicação de órtese e próteses oculares (oferecendo desde bengalas, lupas e óculos especiais para pessoas de baixa visão) e todos os atendimentos que compõem o programa de reabilitação. Há ainda o serviço social e de psicologia que orienta a pessoa e sua família, além de orientação para a vida diária, mobilidade e desenvolvimento da criança e do adolescente. Com a parceria teremos possibilidade de fortalecer esses programas e atender um público maior e com mais qualidade.
Quantas pessoas são atendidas? 
No total atendemos 196 pessoas que frequentam o Instituto nos diversos programas e 580 cadastradas que vem temporariamente para receber orientações. Também desenvolvemos atendimento educacional especializado, com sala de recursos, ensino no sistema braile, biblioteca e sala de informática, que viabiliza recursos pedagógicos para que as pessoas estejam nas escolas e universidade com qualidade. Outro ponto é o desenvolvimento e a capacitação para o mercado de trabalho e o departamento de desporto, onde contamos com 27 atletas no ranking nacional e internacional, oferecendo atividades como golbol, futsal e judô. A atleta Michele Ferreira ganhou o bronze em Pequim (Olimpíadas) e está indo para a Olimpíada de Londres para tentar o ouro para o Brasil. Outro destaque são as atividades culturais, como dança, teatro e coral.
Tivemos alguns avanços nas políticas de inclusão no aspecto educacional e também na acessibilidade, mas qual continua sendo a maior dificuldade? 
No dia 17 de novembro do ano passado, a presidente Dilma Rousseff lançou o programa “Viver sem Limites”, que cria condições financeiras aos estados e municípios para ações de acessibilidade, inclusão nas escolas, assistência social e desenvolvimento de tecnologias para auxiliar pessoas com deficiências. Esse programa trará uma grande evolução. A necessidade dessas ações ganhou força na convenção da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre direitos das pessoas com deficiências, a qual foi ratificada pelo Brasil e tem status de emenda constitucional, como uma lei. Ela preconiza que as pessoas sejam protagonistas da inclusão social e que poder público viabilize recursos para isso. Exige, por exemplo, que as cidades sejam acessíveis no transporte público e nas calçadas.
E o acesso aos deficientes visuais no ensino superior e no mercado de trabalho? 
No Brasil temos diversos profissionais atuando em diversas áreas. São 25 milhões de pessoas com deficiência. Nós nos formamos, fazemos especializações, mas quando nos deparamos com o mercado de trabalho ainda há certa barreira, pois as pessoas, muitas vezes, observam a deficiência como limite. Primeiramente temos de observar a pessoa, o que é possível o profissional com deficiência desenvolver. Logicamente, não será possível fazer algumas atividades, mas a lei garante que o empregador precisa criar condições para que essa pessoa desenvolva o trabalho. Temos essa luta pela formação técnica e pela colocação no mercado de trabalho. Muitas empresas dão desculpa de que não há pessoa com formação, mas a questão é que a pessoa com formação não quer receber um salário menor apenas pela deficiência. Temos de observar o potencial e o currículo, não rotular se a pessoa é cega e assim imaginar que não dá conta desse trabalho.
Você enfrentou essa dificuldade quando não aceitaram que assumisse a vaga para qual foi aprovada em concurso? 
Na verdade, enfrentar a discriminação foi muito mais difícil do que enfrentar a própria deficiência. É mais fácil superar a deficiência do que a discriminação. Você supera a deficiência, reabilita-se, tem sua formação, especialização, histórico de trabalho, faz concurso enquanto pessoa com deficiência, é aprovada, mas não é aceita. Todas as legislações falam que o empregador tem de dar condições para receber essa pessoa e respeitá-la. Isso foi uma situação horrível que eu vivi. O poder público deveria fazer a inclusão acontecer, mas foi o primeiro a discriminar. Não tive outra maneira de reivindicar a não ser entrando na Justiça e também pedindo danos morais. A partir do momento que me discriminaram entrei na Justiça porque a causa não é mais minha, mas das pessoas com deficiência de todo o Brasil. Quando vou a palestras ou eventos sou procurada para explicar sobre esse caso. Essa causa é do movimento e de cada pessoa com deficiência.  
Fonte: http://happylifetur.blogspot.com.br/2012/07/enfrentar-discriminacao-e-pior-que.html

terça-feira, 10 de julho de 2012

Curso de Primeiros Socorros em Ambiente Escolar e Doméstico


Curso de Primeiros Socorros em Ambiente Escolar e Doméstico
Data: 01 e  15/09 – (sábado) das 09h às 16h
CARGA HORÁRIA:  12 horas
CONCEITO - Palestra sobre os Primeiros Socorros relacionados à realidade diária escolar e doméstica, apontando os principais acidentes que podem ocorrer dentro da escola e de uma casa, a devida previsão destes eventos, bem como os procedimentos imediatos que devem ser adotados em caso de prestação emergencial de socorro.


OBJETIVO
• Capacitar o profissional para desenvolver ações de primeiros socorros direcionadas a crianças, baseado nas diretrizes da American Heart Association.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
·         Prevenção de acidentes;
·         Acidentes frequentes em ambiente doméstico e escolar;
·         Engasgamento (asfixia).- Manobra de Heimlich;
·         Corpos estranhos em olhos, ouvidos e nariz;
·         Queimaduras;
·         Afogamento;
·         Reanimação cardio-pulmonar em bebês, crianças e adultos (RCP) - de acordo com o protocolo mais recente da American Heart Association.
·         Síndrome do bebê sacudido.
·         Posição ideal para o bebê dormir.

Blog Primeiros Socorros na Escola
PRELETORES
Marcelo Clemente - Socorrista capacitado pela Cruz Vermelha Brasileira e pela Escola de Bombeiros do Estado de São Paulo. Pedagogo, Psicopedagogo Clínico, Institucional e Hospitalar,  mestrando em Educação e Saúde da Criança e do Adolescente, pela Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP
Myrian Soubkovsky - Enfermeira, graduada pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em UTI. Docente em cursos de Enfermagens do Senac.  Atualmente trabalha como Enfermeira  e Coordenadora no Hospital Israelita Albert Einstein em São Paulo.
PÚBLICO ALVO - Profissionais da área da educação infantil, familiares e público em geral.
Local:  Clínica Psicológica Vila Mariana  - Duzentos metros da estação do metrô
MATERIAL FORNECIDO - Apostila e Certificado
VALOR: R$ 150,00 (cento e cinquenta reais)
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS - Cópia do RG
OBSERVAÇÕES:
•Vagas Limitadas.
•Fica reservada à Coordenação Geral, a substituição de professores por outros, de igual qualificação, caso haja necessidade.
•Não haverá reembolso em caso de desistência ou ausência do aluno.

MAIORES INFORMAÇÕES
Telefone: (11) 7472-5474
E-mail: marcelorhema@gmail.com

quarta-feira, 13 de junho de 2012

7 ª Semana de Inclusão Educacional: Diálogo, Compreensão e Ação

7 ª Semana de Inclusão Educacional: Diálogo, Compreensão e Ação
Data: 03/07/2012 até 07/07/2012
Preço: Participação gratuita

Com o objetivo de proporcionar um espaço de vivência, compartilhamento de experiências, integração e reflexão em torno do tema inclusão social e educacional, diversos profissionais renomados do mercado foram convidados para seis atividades, como palestras, debates e apresentações de teatro, com temas direcionados para o paradigma da inclusão frente ao mercado de trabalho.

O evento terá a audiodescrição e interpretação em Libras.
Senac Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 228 - 1º andar - Centro - São Paulo - SP
Informações: E-mail: consolacao@sp.senac.br Telefone: (11) 2189-2100

Colabore com nossas atividades sociais trazendo um item de higiene pessoal que será doado para a Associação de Apoio à Promoção Humana Novos Rumos.

Programação

Exposição da artista plástica Eliana Zagui
Data e horário: 
03/07/2012 até 06/07/2012 das 14 às 19 horas

Eliana Zagui é artista plástica da Associação de Pintores com a Boca e os Pés e autora do livro Pulmão de Aço.





Feira de Oportunidades
Data e horário: 
03/07/2012 até 06/07/2012 das 14 às 19 horas

Espaço para cadastramento e captação de currículos de pessoas com deficiência.





Mesa de debates: O paradigma da inclusão frente ao mercado de trabalho
Data e horário: 
06/07/2012 das 19 às 21 horas

Eliane Ranieri - Gerente de Diversidade & Inclusão da IBM América Latina, com experiência em educação de lideranças, como facilitadora dos programas de desenvolvimento para gestão de pessoas.

Flávio Gonzalez - Gerente de Processos de Inclusão da Avape - Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência, atua há 16 anos na inclusão de pessoas e programas de responsabilidade social com foco na Diversidade Humana.

Julia Rosemberg - Gerente de projetos da I.Social, onde auxilia empresas na inclusão responsável de profissionais com deficiência, por meio da conscientização dialógica e de ações contundentes de responsabilidade social.

Ana Beatriz Pierre Paiva – integrante do Conselho de Administração da Carpe Diem, apresentadora e coautora do livro Mude seu falar que eu mudo meu ouvir.





Palestra: Pessoas com Deficiência e Suas Interações no Mercado de Trabalho, com Emílio Figueira
Data e horário: 
07/07/2012 das 9h30 às 11 horas


Uma inclusão no mercado de trabalho dependerá também de uma boa convivência no ambiente profissional. Se o empregador e os funcionários se atentarem para esse detalhe, mais que as metas produtivas, as interações sociais serão experiências enriquecedoras para todos os envolvidos.


Emílio Figueira
Doutor em Psicanálise, pós-graduado pela USP, jornalista, psicólogo e escritor com 87 artigos científicos e 38 livros publicados, entre eles: O que é Educação Inclusiva e Caminhando em Silêncio - Uma introdução à trajetória da pessoa com deficiência na história do Brasil.




Conversa com Eliana Zagui e Paulo Henrique Machado
Data e horário: 
07/07/2012 das 11 às 12 horas

Eliana Zagui é artista plástica da Associação de Pintores com a Boca e os Pés e autora do livro Pulmão de Aço.

Paulo Henrique Machado é designer gráfico e desenvolvedor da arte utilizada nas peças de divulgação dessa edição do evento.





As diferenças e semelhanças entre ouvir e escutar, com Lak Lobato
Data e horário: 
07/07/2012 das 13h30 às 15h

A partir de sua experiência de como se tornou surda oralizada e as implicações na sua vida social e profissional, Lak abordará as dificuldades de adaptação de surdos oralizados e com implante coclear no ambiente educacional e profissional.


Lak Lobato
Formada em comunicação social pela Universidade Anhembi Morumbi. Fotógrafa, publicitária, redatora, trabalha como analista de endomarketing de uma multinacional. Autora do blog "Desculpe, não ouvi!" sobre deficiência auditiva focada em oralização, uso de próteses auditivas e implante coclear. Assina uma coluna semanal sobre acessibilidade, no site "Acessibilidade Total" e na revista on-line "Acesso Total".




Palestra: O diferencial e as diferenças no mercado de trabalho, com Roseli Behaker Garcia
Data e horário: 
07/07/2012 das 15h às 16 horas

Atualmente, ter um diferencial é um fator considerável para se obter êxito e sucesso no trabalho. Para tanto, é necessário saber lidar com pessoas diferentes, sejam elas com deficiência ou não.


Roseli Behaker Garcia
Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, pós-graduada em Linguagem das Artes pela Universidade de São Paulo. Profissional da área de recursos humanos há 17 anos na Universidade Presbiteriana Mackenzie e ministra palestras sobre inclusão, mercado de trabalho, motivação. Representou o Brasil no Congresso Internacional para Mulheres com Deficiência Visual no Canadá em 1996.




Apresentação teatral Projeto Mix Menestréis, dirigido por Deto Montenegro
Data e horário: 
07/07/2012 das 16h15 às 17 horas


Um dos vários projetos que integram a Oficina dos Menestréis, empresa de Teatro Musical com excelência comprovada tanto pela linguagem original e vocabulário próprio, quanto pela contribuição significativa para formação de público e inclusão social.

Fonte: http://www.sp.senac.br

 

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Aluna que nasceu sem mãos vence concurso de caligrafia nos EUA

Annie Clark mostra suas habilidades com a caligrafia após vencer concurso nos Estados Unidos


Uma menina de 7 anos, aluna da primeira séria da escola Wilson Christian Academy, na Pensilvânia, conquistou o primeiro lugar na categoria voltada para alunos com deficiência do 21º Concurso Anual de Caligrafia dos Estados Unidos. Annie Clark impressionou os jurados ao escrever prendendo o lápis entre os braços, já que nasceu sem as mãos.

A categoria para estudantes com deficiência foi criada em 2011, quando o estudante Maxim Nicholas foi destaque no evento ao usar o antebraço para escrever, já que também não tinha as mãos. Após a cerimônia de premiação, na quarta-feira, a menina mostrou suas habilidades com a escrita a jornalistas.

Annie venceu na categoria de letras de forma. Na categoria de letra cursiva o vencedor foi Remiel Colwill, aluno da quinta-série de uma escola de Ohio, que apresenta deficiência visual.

Com informações da AP.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI5729305-EI8266,00-Aluna+que+nasceu+sem+maos+vence+concurso+de+caligrafia+nos+EUA.html

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Barbie careca será distribuída em hospitais nos EUA e no Canadá Após campanha, Mattel distribuirá em centros de tratamento de câncer.


A Mattel, fabricante da boneca Barbie, confirmou que produzirá uma boneca sem cabelos para ser distribuída exclusivamente em hospitais infantis e outros centros de tratamento de crianças com câncer nos Estados Unidos e no Canadá.
"A boneca será uma amiga da Barbie e possuirá acessórios que permitem que as crianças partilhem, no momento da brincadeira, experiências similares às que podem estar passando na vida real", informou a assessoria de imprensa da Mattel no Brasil. A Barbie careca não será comercializada e não há previsão de lançamento no Brasil.
A decisão da produção da boneca ocorreu depois de uma campanha pelo site de relacionamentos Facebook, em que uma comunidade com 157,4 mil participantes pedia que a empresa fizesse a Barbie careca. Uma petição online também foi assinada por quase 35 mil pessoas.

Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/04/barbie-careca-sera-distribuida-em-hospitais-nos-eua-e-canada.html

quinta-feira, 29 de março de 2012

Workshop que tratará da computação em nuvem, para instituições do Terceiro Setor


A ATN/Techsoup Brasil em parceria com a IBM estará realizando em 13/04/12 um Workshop que tratará da computação em nuvem, tão importante nas diversas formas de comunicações atuais.

Este evento acontecerá na Assembléia Legislativa de São Paulo e está direcionado às pessoas e organizações do Terceiro Setor, além daquelas interessadas no tema.

terça-feira, 27 de março de 2012

Aprovada MP que facilita financiamentos para pessoas com deficiência

Os senadores aprovaram nesta terça-feira (27) o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 6/2012, que autoriza a União a conceder subvenção econômica de R$ 25 milhões por ano a instituições financeiras oficiais para financiar operações de crédito destinadas à aquisição de bens e serviços de tecnologia assistiva para pessoas com deficiência, como cadeiras de roda e carros adaptados. Todos os partidos apoiaram o projeto, possibilitando a votação simbólica da matéria, que segue para sanção presidencial.
A tecnologia assistiva proporciona e amplia habilidades funcionais, permitindo uma vida menos dependente às pessoas com deficiência, bem como maior acesso a canais de comunicação.
De acordo com o texto, resultante de modificações feitas pela Câmara dos Deputados na Medida Provisória (MP) 550/2011, o limite de renda mensal para enquadramento como beneficiário do financiamento será definido por ato conjunto dos ministros da Fazenda, de Ciência e Tecnologia, do Esporte e da Secretaria de Direitos Humanos.
O mesmo ato explicitará, ouvido o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência (Conade), o rol de bens e serviços de tecnologia assistiva destinados a pessoas com deficiência passíveis de financiamento com o crédito subvencionado.
O relator da matéria, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), apresentou parecer favorável à aprovação e elogiou o trabalho da relatora na Câmara, a deputada federal Mara Gabrilli (PSDB-SP), que ficou tetraplégica em consequência de um acidente de carro, em 1994. Lindbergh registrou que o Congresso Nacional vem se destacando nos últimos anos por atuar com afinco na garantia e ampliação dos direitos das pessoas com deficiência.
Lindbergh fez referência especial ao presidente da Casa, senador José Sarney, que, de acordo com ele, apoia medidas voltadas a atender as pessoas com deficiência desde que foi presidente da República (1985-1990).
Citando o relatório da deputada, Lindbergh afirmou que a tecnologia assistiva promove a “emancipação da pessoa com deficiência”. Equipamentos como cadeiras de roda motorizadas, plataformas elevatórias, automóveis adaptados, periféricos e programas de computador específicos, guinchos de transferência e equipamentos de braille, por exemplo, anulam o impedimento motor ou de comunicação dessas pessoas, explicou o senador.
Os senadores Pedro Simon (PMDB-RS), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Ana Rita (PT-ES), Lúcia Vânia (PSDB-GO), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lídice da Mata (PSB-BA), Alvaro Dias (PSDB-PR), Romero Jucá (PMDB-RR), Wellington Dias (PT-PI), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), José Agripino (DEM-RN), Walter Pinheiro (PT-BA) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) citaram a importância da medida provisória e também destacaram a trajetória de vida de Mara Gabrilli, bem como a dedicação de Lindbergh ao tema.
R$ 25 milhões em subvenções
De acordo com o texto, a subvenção econômica concedida pela União às instituições financeiras virá na forma de equalização de taxas de juros e outros encargos financeiros. A equalização de juros corresponde ao diferencial entre o encargo do mutuário final (tomador do financiamento) e o custo da fonte de recursos, acrescido da remuneração da instituição financeira.
Compete ao Ministério da Fazenda definir a taxa de juros e demais encargos que poderão ser cobrados dos mutuários pelas instituições financeiras, levando em consideração a renda do mutuário, com previsão de custos efetivos menores para aqueles de renda mais baixa.
Mudança feita pela relatora Mara Gabrilli procurou garantir que o valor de R$ 25 milhões em subvenções possa vir a ser aumentado, de acordo com a disponibilidade orçamentária.
A renúncia fiscal estimada com a MP é de R$ 16,9 milhões em 2012 e de R$ 17 milhões em 2013. Segundo a relatora, com essa subvenção deverão estar disponíveis para empréstimo R$ 100 milhões.
Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/03/27/aprovada-mp-que-facilita-financiamentos-para-pessoas-com-deficiencia